APRESENTAÇÃO
ARTIGOS E ENSAIOS
APOSTILAS E CIA.
BLOG PROLEGIS
CÁLCULOS
CÓDIGOS
CONSELHO EDITORIAL
COLABORADORES
CONCURSOS
COTIDIANO E DIREITO
CURSOS ONLINE
DOWNLOADS
GALERIA DE FOTOS
INDICES ECONÔMICOS
JUDICIÁRIO
INFORME PUBLICITÁRIO
DIRETÓRIO DE LINKS
LEGISLAÇÃO
NOTÍCIAS JURÍDICAS
OAB
PALESTRAS / CURSOS
ROTEIROS PRÁTICOS
SERVIÇOS ÚTEIS
SITES AFINS
VIDEOS TV PROLEGIS
SORTEIO DE LIVROS
ESA GUARULHOS
PROGRAMA DIREITOS E DEVERES

Cadastre-se e receba em seu e-mail nossas novidades e promoções.

Nome:
E-mail:

Digite o código












Busca:

PLANO DE SAÚDE CANCELADO OFENDE DIREITO DO CONSUMIDOR
Bradesco Saúde deverá restabelecer plano cancelado de forma ilegal

18/06/2008 19:04

DECISÃO:  * TJ-MT  -  A empresa Bradesco Saúde S.A. foi condenada a restabelecer, com as devidas coberturas e sem qualquer tipo de carência, o contrato de prestação de serviços médicos e hospitalares de duas pessoas que tiveram seu plano de saúde cancelado unilateralmente após a morte do pai, titular do plano. A empresa também foi condenada a pagar R$ 7 mil de indenização por dano moral e R$ 350 por danos materiais (valor referente a uma consulta particular paga por um dos reclamantes), acrescidos de juros e correção monetária a partir da decisão. A sentença foi proferida pelo juiz Yale Sabo Mendes, titular do Juizado Especial Cível do bairro Planalto, em Cuiabá. 

Na inicial, os reclamantes afirmaram que são clientes da Bradesco Saúde há mais de cinco anos, e após a morte do titular do plano, a empresa cancelou unilateralmente e indevidamente o plano, sem nenhuma notificação. Um dos dependentes teve que arcar com os custos de uma consulta em São Paulo (SP) e mesmo após o cancelamento, continuaram a receber faturas do plano de saúde, que foram quitadas.

Em contestação, a empresa alegou, em síntese, que o cancelamento do seguro saúde ocorreu de forma legal diante da morte do titular, conforme determina o contrato celebrado entre as partes, e que por isso inexiste qualquer tipo de dano a ser indenizável.

Segundo o magistrado, apesar de a empresa ré ter afirmado que fez a devida comunicação, ela nada comprovou, "tomando uma atitude draconiana de simplesmente cancelar o contrato com a reclamante, e pior, ainda continuou recebendo as faturas dos meses subseqüentes, portanto ela possui obrigação para com os seus clientes/consumidores", frisou.

Conforme o juiz Yale Mendes, a responsabilidade pelas vendas e/ou prestação de serviços para clientes é da empresa que fornece diretamente ou disponibiliza os seus produtos. Ele explicou que verificada a ocorrência de abusividade e/ou ilegalidade da cláusula da suspensão ou denúncia unilateral do contrato, torna-se possível a revisão desde o início da relação negocial.

No presente caso deverá o reclamante socorrer-se do Código de Defesa do Consumidor Pátrio, logo, tenho que o Contrato de Prestação de Serviços Médicos Hospitalares deve ser restabelecido, com a cobertura dos serviços aos autores pela parte reclamada, sem qualquer tipo de carência, ressalvando apenas a não aplicação da cláusula supra considerada ilegal", assinalou.

Transitada em julgado, caso o condenado não efetue o pagamento no prazo de 15 dias, ao montante da condenação será acrescido multa no percentual de 10%. Caso não cumpra a determinação, foi fixada multa diária para a empresa de R$ 300.  A sentença, passível de recurso, foi proferida nesta segunda-feira (16 de junho).

 

FONTE:  TJ-MT,  18 de junho de 2008.

 

 







DIREITO À SAÚDE
Seguradora terá que indenizar por informação equivocada sobre prazo de carência para parto

DANOS MORAIS E MATERIAIS
Companhia aérea indenizará passageiras catarinenses por estrafego de malas e bagagens

DIREITO DO TRABALHO
Presume-se sem vínculo de emprego a prestação de serviços em campanha eleitoral

DIREITO DO CONSUMIDOR
Reparação para consumidor impedido de assistir campeonato de futebol por defeito no televisor

DIREITO DO CONSUMIDOR
Companhia deve indenizar deficiente visual por impedir embarque

LEI MARIA DA PENHA
Retratação de vítima de violência doméstica não impede denúncia de agressor pelo MP

EMBARGOS DE TERCEIRO
Imóvel não pode ser penhorado até julgamento final de ação de usucapião

DIREITO DE FAMÍLIA
Ex-marido, com a guarda dos filhos, livra-se de pensão para mulher em união estável

DIREITO DO CONSUMIDOR
Plano de saúde deve pagar tratamento contra perda de visão

DIREITO DO TRABALHO
Acordo sobre comissões não impede reconhecimento de vínculo de representante comercial